"O criador é aquele que faz avançar a história da moda" - Didier Grumbach

domingo, 26 de agosto de 2012

Anos 70


A onda de otimismo que antecede a nova década começa a se atenuar nos anos 70, tendo entre outros fatores, a forte inflação. Aposta-se na volta ao artesanal que exalta a individualidade e evidencia a rejeição à cultura de massa. Dois movimentos sociais solidificam-se e afetam a moda: a revitalização da volta á natureza e o impacto cada vez maior do movimento feminista. Há um interesse incomum pelos alimentos naturais, pela ecologia e pela paz mundial. A incerteza do início da década de 70 provocou em algumas pessoas, uma volta a um estilo de vida mais simples.



Tendência Peace and Love


Roupas de tecidos rústicos, com batas, anáguas rodadas em estilo camponês foram adotadas pela moda. As mulheres lutavam cada vez mais para entrar no mercado de trabalho. A ênfase da moda na praticidade dos modelos e na escolha dos tecidos originou-se nessa competitividade. O mesmo se deu com a roupa unissex. Os shorts são os grandes favoritos de 1971. As calças pantalona muito evasée , eram o hit da época. A minissaia permanece disponivelmente eclética em cetim, couro veludo, malhas e jeans. As roupas Punks, surgiram nos anos 70 como um traje vandalizado dos Hell's Angels para andar de motocicletas e exibir um visual masoquista. O grupo musical Sex Pistols adere ao movimento punk, influenciando também a roupa da época.


Hell's Angels



sex Pistols


Vivienne Westwood lança várias grifes dirigidas a esses jovens de vanguarda. Ao mesmo tempo a moda que nasce nas ruas vai provocar nos jovens criadores, reações múltiplas. Kenzo, Issey Miyake e Yamamoto, todos originários do Japão, encontram um grande momento para a sua expressão criadora. Eles europeízam, cada um à sua maneira a silhueta japonesa. Em resposta Castelbaljac, reduz o vestido à sua mais simples linguagem. Thierry Mugler, propõe linhas aerodinâmicas, estruturadas, e Marie Beretta, mantém a amplidão. Lagerfeld e Tarlazzi apostam na imagem sexy, refinada. Emanuele Khan e Laura Ashley promovem o retorno à feminilidade e ao romantismo. Montana e Rykiel lançam suas coleções. Jean paul gaultier coloca suas idéias nas ruas de Londres, nos ciganos punks e as apresenta sobre o podium de Paris com sofisticação. É a moda-sado-masô.



Os Japoneses


Fashion Designers Seventies


O jeans continua a sua escalada: sofisticou-se e recebeu vários tipos de tratamento: delavé, manchado, escovado, aveludado. Ostentava etiquetas famosas: Calvin Klein, Pierre Cardin, Ralph Lauren, Fiorucci, Cacharel. A sociedade americana se mobiliza para pôr fim a tragédia que marcou a história da época: A Guerra do Vietnã. As jaquetas mais populares eram as esportivas, sendo suas formas inspiradas nas fardas do exército, trajes de combate de aviadores, feitas com materiais diversos. Woody Allen no cinema parodiava com extrema sensibilidade as neuroses e angústias da década. Os comprimentos das saias subiam e desciam, os estilos variavam de estação para estação: indiano, camponês, safári, romântico, retrô e discoteca.



Os Embalos de Sábado à Noite


Um comentário:

Daniela Soukup disse...

Excelente blog! Adorei! :) Precisava refrescar minha memoria.