"O criador é aquele que faz avançar a história da moda" - Didier Grumbach

domingo, 25 de novembro de 2012

Diva Urbana





"Revelar tanto de seu  temperamento confuso nesses formatos de música consagrados foi um desafio extraordinário. Por sorte, Amy Winehouse tem a produção, a voz e a força de caráter para levar isso tudo a cabo".

Esta citação, do crítico Chris Elwell-Sutton sintetiza bem o que significou a influência da cantora Amy Winehouse para o mundo contemporâneo.
Seus méritos artísticos são inquestionáveis e unanimidade no mundo inteiro, não só pela sua extraordinária potência vocal, mas também pela sua atitude irreverente e polêmica. Amy conseguiu a façanha de revisitar estilos musicais clássicos, como o Soul e o Jazz, dando-lhes uma nova roupagem, através das canções que falavam de suas frustrações amorosas.

Na década de 1960, Audrey Hepburn, no icônico filme “Bonequinha de Luxo”,  em que interpretava uma prostituta, causou polêmica e   foi eleita a última diva de seu  tempo. Esse adjetivo foi muito recorrente no século XX, para eleger as  mulheres que encantavam as massas, tanto pelo seu talento como por sua sensualidade. Audrey pode ter escandalizado a sociedade porque trazia à tona um tema delicado, mas soube, com seu charme, elegância e atitude, ainda em uma sociedade que caminhava para o liberalismo feminino, quebrar esse tabu, alcançando a simpatia de todos.

Neste sentido é interessante uma comparação entre Audrey e Amy. A segunda, inserida em um contexto contemporâneo, e em uma sociedade deliberada, e que já parecia ter visto de tudo. Mas Amy emplacou em um momento onde o mix de referências e releituras era moda, ou melhor dizendo, um "supermercado de estilos", expressão cunhada na década de 90 pelo antropólogo Ted Polhemus.

Amy é considerada por muitos como uma "diva urbana", pois encarna perfeitamente os padrões que definem o sujeito pós moderno. A a apropriação e a nostalgia foram perceptíveis em sua imagem, que  ficou  caracterizada por um penteado inspirado pela moda dos anos 1960 e sua maquiagem, que lembrava, ao mesmo tempo, o visual de cantores de rock e de uma mulher sedutora, com olhos negros, marcados e repuxados no canto, o que também remete a uma atitude de pastiche  ou paródia. Ela parecia, muitas vezes  representar ou, devido à sua personalidade instável, ter múltiplas facetas, momentos em que conseguiu chamar a atenção da imprensa para sua luta, em superar o vicio do álcool e das drogas. Incompreendida, foi julgada sempre por uma conduta "fake" ou de simulacro, fosse pelas insinuações de Plágio, em algumas de suas músicas, ou pelo  seu estilo de vida desenfreado, abundantemente irresponsável e “junkie”, que determinariam seu trágico fim.

"Eu trapaceei comigo mesma, como eu sabia que faria. Eu  te disse sou encrenca, você sabe que não sou boa coisa."

Amy Winehouse, em trecho da música "You  know I".




terça-feira, 4 de setembro de 2012

A Fotografia de Moda Artística na Publicidade Contemporânea


A fotografia de moda artística, se apresenta muito recorrente na publicidade contemporânea, que apela para a exploração de uma imagem provocante,em alguns casos erotizada e pode-se dizer até, extremamente fetichista. Essa tendência, vem sendo marcante desde a década de 80, com campanhas que exploraram o corpo feminino, em detrimento ao forte apelo comercial. Slogans como "Não há nada entre minha Calvin e eu", da atriz ninfeta Brook Shields, para a marca Calvin Klein, em um comercial de jeans, foi apenas uma premissa do que viria a acontecer, nas décadas posteriores. De Madonna, com seu celebrado sutiã bicudo, a Lady Gaga com seus looks de carne crua, passando por merchandisings memoráveis, de nomes da moda contemporânea, como Versace, Gaultier, Tom Ford, Marc Jacobs, entre outros, que utilizaram a fotografia de moda artística, como recurso para o conceito imagético de suas grifes.


Campanha Calvin Klein Jeans, com Brook Shields, Década de 80


Figurino de Jean-Paul Gaultier para Blond Ambition Tour, de Madonna,Década de 90


Campanha Versace para Bondage Collection, 1992


Campanha para perfume feminino Jean-Paul Gaultier, Década de 90


Campanha Diesel Underwear, Anos 2000


Campanha Du Loren, Anos 2000


Campanha Ellus, Anos 2000


Lady Gaga com Biquíni de Carne Crua, para capa da Revista Vogue Homme
Japan, por Terry Richardson, 2010


Lady Gaga com Vestido de Carne Crua, no Video Music Awards, 2010


Lady Gaga para Versace com Vestido Bondage, 2010


Campanha do Perfume Tom Ford for Men, por Terry Richardson, Anos 2000



Campanha para Perfume Tom Ford Menswear, Anos 2000


Campanha Tom Ford Masculino, 2012


Campanha Marc Jacbs para Perfume Bang, 2011



Editorial Marc Jacobs para Revista Harpeers Bazaar, 2011


Campanha Versace para H&M, 2012

domingo, 26 de agosto de 2012

Anos 70


A onda de otimismo que antecede a nova década começa a se atenuar nos anos 70, tendo entre outros fatores, a forte inflação. Aposta-se na volta ao artesanal que exalta a individualidade e evidencia a rejeição à cultura de massa. Dois movimentos sociais solidificam-se e afetam a moda: a revitalização da volta á natureza e o impacto cada vez maior do movimento feminista. Há um interesse incomum pelos alimentos naturais, pela ecologia e pela paz mundial. A incerteza do início da década de 70 provocou em algumas pessoas, uma volta a um estilo de vida mais simples.



Tendência Peace and Love


Roupas de tecidos rústicos, com batas, anáguas rodadas em estilo camponês foram adotadas pela moda. As mulheres lutavam cada vez mais para entrar no mercado de trabalho. A ênfase da moda na praticidade dos modelos e na escolha dos tecidos originou-se nessa competitividade. O mesmo se deu com a roupa unissex. Os shorts são os grandes favoritos de 1971. As calças pantalona muito evasée , eram o hit da época. A minissaia permanece disponivelmente eclética em cetim, couro veludo, malhas e jeans. As roupas Punks, surgiram nos anos 70 como um traje vandalizado dos Hell's Angels para andar de motocicletas e exibir um visual masoquista. O grupo musical Sex Pistols adere ao movimento punk, influenciando também a roupa da época.


Hell's Angels



sex Pistols


Vivienne Westwood lança várias grifes dirigidas a esses jovens de vanguarda. Ao mesmo tempo a moda que nasce nas ruas vai provocar nos jovens criadores, reações múltiplas. Kenzo, Issey Miyake e Yamamoto, todos originários do Japão, encontram um grande momento para a sua expressão criadora. Eles europeízam, cada um à sua maneira a silhueta japonesa. Em resposta Castelbaljac, reduz o vestido à sua mais simples linguagem. Thierry Mugler, propõe linhas aerodinâmicas, estruturadas, e Marie Beretta, mantém a amplidão. Lagerfeld e Tarlazzi apostam na imagem sexy, refinada. Emanuele Khan e Laura Ashley promovem o retorno à feminilidade e ao romantismo. Montana e Rykiel lançam suas coleções. Jean paul gaultier coloca suas idéias nas ruas de Londres, nos ciganos punks e as apresenta sobre o podium de Paris com sofisticação. É a moda-sado-masô.



Os Japoneses


Fashion Designers Seventies


O jeans continua a sua escalada: sofisticou-se e recebeu vários tipos de tratamento: delavé, manchado, escovado, aveludado. Ostentava etiquetas famosas: Calvin Klein, Pierre Cardin, Ralph Lauren, Fiorucci, Cacharel. A sociedade americana se mobiliza para pôr fim a tragédia que marcou a história da época: A Guerra do Vietnã. As jaquetas mais populares eram as esportivas, sendo suas formas inspiradas nas fardas do exército, trajes de combate de aviadores, feitas com materiais diversos. Woody Allen no cinema parodiava com extrema sensibilidade as neuroses e angústias da década. Os comprimentos das saias subiam e desciam, os estilos variavam de estação para estação: indiano, camponês, safári, romântico, retrô e discoteca.



Os Embalos de Sábado à Noite


terça-feira, 21 de agosto de 2012

Regina Guerreiro fala sobre jornalismo de moda no Brasil

por Raphael Scire

Ela abriu as portas do jornalismo de moda no Brasil, ainda que sem querer, na década de 1960. Hoje, os desfiles da São Paulo Fashion Week (SPFW) não começam sem que ela esteja devidamente posicionada em sua cadeira na fila A. Reconhecida como uma das papisas da moda brasileira, Regina Guerreiro diz que pagou um preço alto pela rigidez que exigia de sua equipe na Vogue , revista que comandou com pulso de ferro por 14 anos. "Se não tivesse muita teimosia, muita força e não me impusesse, as coisas não teriam acontecido e eu não teria me tornado Regina Guerreiro", diz. Em entrevista para o site de Jornalismo da Faculdade Cásper Líbero, ela conta como foi o começo de sua carreira, além de dar sua opinião sobre a moda e o jornalismo de moda.

Qual é a grande diferença no jornalismo de moda quando você começou (1964) e o que é feito hoje?

Na realidade, no meu tempo não existia essa denominação: "jornalismo de moda". Eu fiz jornalismo geral. O que eu gosto e gostava, mesmo, é de escrever. Tentei vários caminhos no jornalismo, mas quando fui trabalhar na Abril, eu era uma menina que estudou em colégio de freiras, que sabia falar francês e por isso me jogaram em moda. Na verdade, não a escolhi. Eu até brinco que caí na moda em vez de cair na vida ( risos ).

Quais vertentes do jornalismo você pretendia seguir no começo da sua carreira?

Histórias policiais. Uma vez até fizeram uma brincadeira comigo no Jornal do Brasil e escreveram uma história policial como se eu tivesse escrito. E daí, no final, falava assim: "a vítima usava sandálias Chanel" ( risos ).

Pode-se dizer que você foi uma das percussoras do jornalismo de moda no Brasil?

Ah, sem dúvida! Acho que eu fui a pioneira, no sentido de que eu, realmente, comecei a trabalhar numa hora em que não existia moda no Brasil e, mesmo no mundo, ainda estava tudo na base da alta costura, de ditarem as regras do que era a moda. A primeira coleção de Dior que eu vi era uma coisa pequena, a da Chanel também.. Poucas jornalistas tinham acesso às coleções. Era um mundo muito diferente, mais fechado, mais exclusivo, mais emocionante, inclusive, porque era tudo sonho, emoção e poesia. Com o passar do tempo, essas coisas foram ficando enormes. Bom, tudo estava acontecendo. Eu posso te dizer que sou absolutamente autodidata. Nunca fiz escola [de moda] nenhuma, mas tive de percorrer um longo caminho, com a minha curiosidade. Sempre exacerbada, entrevistei pessoas muito importantes, como o Cardin, Paco Rabanne, Mary Quant. E eu ainda tinha a enorme vantagem de saber escrever. Criei, realmente, o estilo da reportagem de moda associado a uma grande cultura da imagem da moda. Eu acho que a grande falha, hoje, é que as pessoas não unem as duas coisas, ou seja, esses cursos de moda quase sempre são uma idéia meio de deslumbre. Fazer moda é muito duro, tanto na área de estilo quanto no jornalismo. Isto quando se é para fazer bem, evidentemente. O jornalismo deve seguir a moda de uma forma séria, como a expressão de uma época, de um comportamento, de um desejo ou de uma economia.

Quais foram os aspectos que você teve de desenvolver para se tornar uma referência em jornalismo de moda?

Eu acho que isso não é tão nítido, não, face ao meu estilo de vida. Eu sou uma pessoa super curiosa, super apaixonada. Então mantive a curiosidade, a paixão, a teimosia ( risos ) e, claro, o encantamento. A moda já foi uma coisa encantadora.

Não é mais?

Não diria.

Por que?

Porque teve de transformar os sonhos em números, o que é legítimo, pois tem que se sustentar uma indústria. Um sinal dos tempos, a consequência do nosso comportamento hoje. Mas que isso não é encantador, não é, de uma mesmice tediosa. Eu diria que as coisas se encolheram e a moda, então, nem se fala.

Você teve 14 anos de experiência como editora de uma das revistas de moda mais influentes do Brasil, a Vogue . Até que ponto o sucesso da publicação pode ser creditado a sua pessoa?

Muito! A Vogue era uma revista muito limitada, elitista, trancada dentro de certos conceitos da mulher chique, como "bege combina com isso, Rolex é chique"... Eu sempre fui muito malhada, inclusive, porque eu era anárquica, propunha a anticultura, a briga com a cultura. "Porque que é assim e não assado?". Levei as pessoas, principalmente as que vieram atrás de mim, as mais jovens, a essa excitação pelo que não tinha ainda acontecido, sair dessa gaiola de conceitos e preconceitos e abrir uma visão nova, mais rebelde, mais energizante.

Quais as características do jornalismo de moda enquanto jornalismo segmentado?

Acho que, infelizmente, a gente vai cada vez mais para a especialização. Temos menos cultura geral, somos mais canalizados para uma certa especialidade. Isto tem suas vantagens e suas enormes desvantagens, no sentido de que você fica muito bitolado, muito trancado dentro do seu mundinho. Isso até aconteceu comigo. Quanto mais se especializa, você tem menos tempo para olhar tudo. Essa é a grande desvantagem. Eu acho que essa coisa de segmentar é algo que vai se desenvolver ainda e o segmento do jornalismo de moda, se não tiver uma cultura geral por trás, tende a um empobrecimento enorme.

Hoje em dia, como você avalia o jornalismo de moda feito no Brasil?

Eu acho que, por exemplo, uma pessoa como o Alcino [Leite Neto, editor de moda do jornal Folha de S. Paulo], que é uma pessoa extremamente culta, cuja especialização é cinema, quando passa para a moda, traz uma bagagem cultural e de jornalista. A coluna dele é uma coluna que eu leio. As outras, passo o olho, mas não me impressiono muito, não. Eu acho que quem faz só moda em geral, que começou fazendo jornalismo de moda, são pessoas com menos bagagem e que conseguem falar de moda de uma maneira menos profunda ou puramente didática - preto se usa com isso, com aquilo - o que chamamos de "autoajuda fashion" ou, de forma muito fria, muito preocupada com o estilo, com a grandiosidade do evento, com os números, do que o que está acontecendo com a moda propriamente dita.

Quais as publicações, aqui no Brasil, são relevantes para a divulgação da moda?

Olha, tudo virou uma receita, tudo sai de uma forma. Eu não vejo, no jornalismo de moda brasileiro, uma vitalidade, uma originalidade. Ficamos muito colonizados ao que eram as revistas estrangeiras. As matérias não puxam o olho: você folheia as revistas e não se sabe direito o que está vendo. `uma fileira de imagens, de produções extravagantes para dizer "olha como sou original". Vejo o jornalismo de moda brasileiro muito sem apelo. A redatora está separada da produtora, da editora. Se a editora não sabe como contar uma história, a coisa fica pobre. Pega qualquer revista e vai ser muito raro encontrar uma matéria que tenha um gancho editorial e, ao mesmo tempo, de imagem.

O seu olhar para as coleções sempre foi muito ácido. Há pouco tempo você assinou a direção criativa da grife TNG. Como foi passar para o outro lado da crítica?

Eu tentei fazer da TNG uma coisa melhor. Não consegui. Não porque é uma coisa popular, pois acho maravilhoso fazer algo popular. Eu, por exemplo, fui ver o trabalho da Renner na semana passada e fiquei surpreendida, diria até mesmo encantada com a preocupação deles de fazer um produto barato, acessível. E esse é o meu sonho. A moda não pode e não deve ser o privilégio de uma minoria. Agora, dependendo da indústria, você consegue ou não consegue. Eu diria que, na TNG, não tive meios básicos. Faltava pano, faltava gente, faltava informação. Eu levava meus livros e eles desapareciam. `uma indústria mais preocupada com o lucro do que com a missão de deixar as pessoas mais bonitas. E as pessoas mais toscas, mais primárias, não se preocupam com isso, elas estão só preocupadas com o faturamento.

Você ficou quanto tempo à frente da direção artística?

Eu fiz quatro coleções, o que é uma coisa raríssima. Ninguém aguenta mais do que uma lá. Acho que aguentei quatro porque, como eu disse, sou muito teimosa. Mas a minha coisa de criação também é muito relativa. Eu passava as noções para os estilistas e eles desenvolviam. O problema, aí, é o da realização, que emperrava. Eu mandava uma coisa e vinha outra. Esse é um dos pontos mais graves.

Uma das grandes críticas à semana de moda de São Paulo é que o que é apresentado nas passarelas tem uma verve muito mais comercial do que criativa, diferentemente do que é visto lá fora, em Paris, Milão, Nova York e Londres, por exemplo. Você concorda com essa crítica?

Eu não acho comercial. Muita coisa do que eles jogam nas passarelas nem vai estar nas lojas. Paris continua sendo o centro da criação; Itália, da técnica. Muitas vezes a gente dizia, há dez, quinze anos, que a seda pura francesa era italiana (risos). Londres, eu adoro: é um centro provocante, são exóticos, anárquicos. Acho a mentalidade londrina muito boa. Claro que, em termos comerciais, nunca mais vai emplacar. Mas, não podemos só pensar assim. Temos que nos preocupar em sustentar a indústria, mas também o retrato do mundo. Você vê roupas na passarela que não vão mudar o futuro de ninguém.

Uma discussão que ressurgiu agora com a última SPFW sobre a magreza das modelos, ainda mais depois da resposta da Anna Wintour (editora de moda da "Vogue" americana) à carta do Paulo Borges (organizador do SPFW e do Fashion Rio). Você acha que a indústria da moda, no Brasil, é tirânica no que se refere aos padrões de beleza apresentados nas passarelas?

Não sei por que foi acontecendo isso. Nos anos 1980, o grande momento apoteótico em que a modelo se transformou em top model , quando surgiu Linda Evangelista, Naomi Campbell e Carla Bruni, elas não eram assim. Eram mulheres elegantes, altas, mas não eram palitos. Essa coisa de palito, acentuadamente brasileira, é mais fácil para o estilista. Mais fácil vestir um cabide do que uma pessoa. Eles dizem que não fazem isso, mas não é verdade. Eu sei de estilistas aqui que dizem que a modelo está gorda, exigem manequim 36. Essas meninas, quando fazem amor, "craquelam" ( risos ).

Quem você aponta como os grandes nomes da moda brasileira atualmente?

Ninguém é bom o tempo inteiro. Temos altos e baixos. Se você considerar como obra, como tudo o que foi feito até agora, eu destaco o Alexandre (Herchcovitch) e a Gloria Coelho. E, como moda brasileira, de ir ao fundo de nossas raízes, ser extremamente sensível, eu destaco o Ronaldo Fraga.

Em 2009, você foi a grande homenageada do Prêmio Moda Brasil. Como se sentiu?

Foi muito bom. Quando o tempo passa, a gente esquece tudo o que fez. E a gente tende a falar "puxa, não sou nada", você sente um esfarelar... De repente, eu me peguei olhando para coisas que fiz há trinta anos e tive uma surpresa de como eu era atual, como meu texto era inteligente e como a minha imagem era emocionante. Isso tudo, modéstia à parte. Não estou falando para me gabar, estou falando que foi bom para eu me "reenergizar".



domingo, 29 de julho de 2012

MADELEINE VIONNET 1876-1975


Madeleine Vionnet e sua técnica de moulage


Madeleine Vionnet nasceu em Aubervilles, na França, e ainda adolescente começou seu aprendizado como costureira. Foi para Paris, passou algum tempo em Londres e, em 1901, aos 25 anos, estava de volta à França. Seis anos mais tarde, estava trabalhando na Maison de Jacques Doucet, muito conceituada no final do século 19 e no começo do século 20.

Em 1912, afinal, Madeleine Vionnet inaugurava sua própria casa. Fechou-a durante a 1ª Guerra Mundial, e quando a reabriu começou a ganhar a preferência de muitas atrizes da época. Com um estilo inovador, costumava criar seus modelos diretamente em um manequim em miniatura.


Look de Madeleine Vionnet


Duas de suas principais características eram o drapeado e o corte enviesado, para os quais encomendava tecidos com o dobro de largura do que o habitual - seus tecidos prediletos eram o crepe, a gabardine e o cetim, que ela manejava com maestria, a ponto de ser considerada a estilista que mais contribuições técnicas deu à alta costura.

As aberturas de suas roupas eram sempre surpreendentes, laterais, ou na parte de trás, mas também criou peças sem qualquer fenda, e que precisavam ser vestidas com cuidado, pela cabeça. Seus períodos de maior sucesso foram o final dos anos 20 e o começo da década de 30. Madeleine Vionnet aposentou-se em 1939.

Baas Relief, 1931 - Madeleine Vionnet

sábado, 21 de julho de 2012

A Relação MODA E ARTE


Quadro "Composição com Vermelho, Amarelo e Azul", de Piet Mondrian -
1921 e Vestido Mondrian, de Yves Saint Laurent - 1965


Os grandes costureiros e estilistas sempre dialogaram com os artistas de seu tempo, mas foi o francês Paul Poiret, o primeiro a promover essas trocas de modo sistemático, ainda nas primeiras décadas do século XX.

Ele utilizou em suas criações estampas exclusivas de pintores como Raoul Dufy e ilustrações de artistas como Paul Iribe e Georges Lepape.

Um outro nome fundamental da moda no século XX – Coco Chanel – trabalhou com Picasso, com os balés russos de Diaghilev, com Jean cocteau e tantos outros artistas...

Essa postura, que se firma ao longo do século XX, traduz uma visão da moda como arte e do grande costureiro (ou do criador de moda) como um verdadeiro artista de vanguarda.

A relação Arte/Moda pode ser assim sistematizada:

1- A arte como fonte de criação para a moda;
2- A moda como fonte de criação para a arte;
3- Wearable Art, ou arte usável.

1- A Arte é fonte de criação para a moda.

 Um momento emblemático da influência das artes plásticas sobre a moda ocorreu em 1965, quando Yves Saint-Laurent lançou a coleção Mondrian. Para além de uma simples estampa, o geometrismo de Mondrian transformava-se em vestido.

2- A Moda é fonte de criação para a arte.

 Artistas como Andy Wharol, Joseph Beuys ou Louise Bourgeois servem-se de elementos do universo vestimentário ou da roupa como suporte na criação de obras de arte.

3- Wearable Art ou arte usável

 O artista concebe peças de roupa, acessórios, estampas, etc , como peças exclusivas, mas seu compromisso é com a criação artística, não com a moda.
  
Exposições, galerias, instalações por toda a parte exploraram os três aspectos antes levantados. Ao mesmo tempo, fica uma pergunta: será que a utilização da arte na moda...virou uma moda?

Afinal, tornou-se uma espécie de praxe, ultimamente, que o estilista anuncie sua coleção como uma espécie de sopa de referências culturais, um vale-tudo em que é lícito misturar cores de Van Gogh com arquitetura japonesa, ou fazer uma releitura de Mondrian via Saint-Laurent

Como lhe é próprio a Moda não poupa nada, pilhando sistematicamente todos os universos, que se transformam, assim, em mera referência, desprovida de uma verdadeira tentativa de estabelecer uma “relação”.

sexta-feira, 13 de julho de 2012

A Costura do Invisível


"Uma coleção de papel, um simples rasgo, um conto de fadas playmobil, que se tornou um ícone da moda"

Em 2004, durante a São Paulo Fashion Week, o estilista Jum Nakao apresentou o último desfile de sua carreira. A apresentação foi mais que um desfile, foi a construção de um paradigma, e a prova disso foi o desenvolvimento do livro e do documentário,que continuam reverberando o desfile e o trabalho de Jum Nakao como um todo.

"O que você faria se você não tivesse que se preocupar com nada? É preciso iniciar, renovar... É necessário fugir das coisas obvias. Sem o espectador a obra não existe"

(Jum Nakao)


O desfile é de uma leveza peculiar, e transmite exatamente o que Nakao fala: "O efêmero também pode permanecer".

Decidindo por uma coleção feita de papel, o objetivo mais importante da exposição foi o detalhamento nas roupas que as faria delicadas, causaria como diz o estilista um "deslumbramento" nas pessoas que as vissem.

Baseadas no final do século XIX as roupas são intensas na elaboração da forma, do trabalho e do processamento. Os papéis foram todos cortados à laser, utilizando sempre o papel vegetal para um efeito do "quase invisível". O propósito era tornar as roupas o mais impecáveis possível para que só fosse percebido de que material eram feitas na hora em que fossem retiradas.


As perucas Playmobil foram escolhidas para ser a peça constante do desfile. Um boneco Playmobil pode ser qualquer personagem e terá o mesmo cabelo. O objetivo era que as pessoas se identificassem com um elemento familiar e que pudessem se projetar na coleção, nas roupas, e se prender à um conceito ao invés de uma identidade de uma modelo em singular.

Houve uma decisão de organizar o show seguindo o mesmo padrão dos desfiles convencionais no andar da passarela, para dar a impressão de ser apenas mais um desfile feito de papel, porém no instante em que as modelos surgem para os agradecimentos há a quebra das regras convencionais de um desfile com uma alteração das luzes e da trilha e a destruição das roupas pelas próprias modelos, tudo para um impacto maior na audiência


"Redescobrir a importância de nos surpreendermos com o mundo, estarmos atentos e sensíveis a pequenas coisas, encontrar um novo sentido como turista nas coisas banais, da importância de um instante de leveza"

(Jum Nakao)





quinta-feira, 12 de julho de 2012

Eu Etiqueta - por Carlos Drummond de Andrade



Eu Etiqueta


Em minha calça está grudado um nome
Que não é meu de batismo ou de cartório
Um nome... estranho.
Meu blusão traz lembrete de bebida
Que jamais pus na boca, nessa vida,
Em minha camiseta, a marca de cigarro
Que não fumo, até hoje não fumei.
Minhas meias falam de produtos
Que nunca experimentei
Mas são comunicados a meus pés.
Meu tênis é proclama colorido
De alguma coisa não provada
Por este provador de longa idade.
Meu lenço, meu relógio, meu chaveiro,
Minha gravata e cinto e escova e pente,
Meu copo, minha xícara,
Minha toalha de banho e sabonete,
Meu isso, meu aquilo.
Desde a cabeça ao bico dos sapatos,
São mensagens,
Letras falantes,
Gritos visuais,
Ordens de uso, abuso, reincidências.
Costume, hábito, permência,
Indispensabilidade,
E fazem de mim homem-anúncio itinerante,
Escravo da matéria anunciada.
Estou, estou na moda.
É duro andar na moda, ainda que a moda
Seja negar minha identidade,
Trocá-la por mil, açambarcando
Todas as marcas registradas,
Todos os logotipos do mercado.
Com que inocência demito-me de ser
Eu que antes era e me sabia
Tão diverso de outros, tão mim mesmo,
Ser pensante sentinte e solitário
Com outros seres diversos e conscientes
De sua humana, invencível condição.
Agora sou anúncio
Ora vulgar ora bizarro.
Em língua nacional ou em qualquer língua
(Qualquer principalmente.)
E nisto me comparo, tiro glória
De minha anulação.
Não sou - vê lá - anúncio contratado.
Eu é que mimosamente pago
Para anunciar, para vender
Em bares festas praias pérgulas piscinas,
E bem à vista exibo esta etiqueta
Global no corpo que desiste
De ser veste e sandália de uma essência
Tão viva, independente,
Que moda ou suborno algum a compromete.
Onde terei jogado fora
Meu gosto e capacidade de escolher,
Minhas idiossincrasias tão pessoais,
Tão minhas que no rosto se espelhavam
E cada gesto, cada olhar
Cada vinco da roupa
Sou gravado de forma universal,
Saio da estamparia, não de casa,
Da vitrine me tiram, recolocam,
Objeto pulsante mas objeto
Que se oferece como signo dos outros
Objetos estáticos, tarifados.
Por me ostentar assim, tão orgulhoso
De ser não eu, mas artigo industrial,
Peço que meu nome retifiquem.
Já não me convém o título de homem.
Meu nome novo é Coisa.
Eu sou a Coisa, coisamente.

 Carlos Drummond de Andrade

sábado, 7 de julho de 2012

"O que os homens nunca deveriam usar - ou ter usado" por Arnaldo Jabor


O que os homens nunca deveriam usar - ou ter usado:

Na coluna passada, brinquei com o meu ponto de vista, sobre o que as mulheres não deveriam usar - pois era sofrível. Foram dezenas de e-mails concordando, mas pedindo para o colunista fazer a mesmíssima coluna, porém sobre os equívocos masculinos. Já tinha isso em mente e aí vai a minha lista para meus queridos leitores. Acho abominável que um homem envergonhe (no sentido estético) a classe masculina usando:

1) O trio mais famoso do que o do McDonalds: pochete, bermuda jeans e sandália papete. Se vier acompanhado do celular (na capinha) na cintura então. É caso para fingir que não conhece.

2) Blazer com gola rolê por dentro. É o figurino preferido de 10 em cada 10 novos cabeleireiros recém bem-sucedidos na cidade. Esse tipo acha esse conjunto o uniforme da 'elegância'. Geralmente abrem salão na cidade com os nomes de Roberto's Coiffeur, Cabral's, Antonio's e por aí vai.

3) Sapato social de 'franjinha' (aquele detalhe de penduricalho em cima). Se for curto a ponto de aparecer a meia branca por baixo, a coisa beira a piedade. Esse tipo fica ótimo num dublador de Michael Jackson cantando 'Billie Jean' no Largo da Carioca.

4) Calça de cintura alta e preguinhas...... Cuidado com os testículos! Eles não têm culpa se você se veste mal. Gerentes de churrascaria rodízio costumam adotar esse visual acompanhado de uma vistosa camisa vermelha de seda javanesa. Correntão de ouro e pulseira de ouro é melhor esquecer. Deixe para os bicheiros.

5) Perfume KOUROS (Yves Saint Laurent) ou NATURA. Num acampamento pode ser usado como repelente (pena dos seus companheiros de viagem). Um cara que usa esse perfume se torna inesquecível. O trauma nas pessoas ao redor é irreversível.

6) Essa vai doer em muito 'Maurício' mas é a minha opinião: Casaquinho de lã jogado nas costas e amarrado na frente. Esse visual geralmente vem acompanhado de um cabelo arrumado pela mamãe a ' La Roberto Justus '. Tem solução, mas tem que ser mudado ainda na infância ou no máximo adolescência. Depois fica difícil.

7) Unha suja (e sem cortar). Se você não for  mecânico  pode ter certeza que brochará sua namorada ou pretendente. Caso seja bonito, atlético e gostosão,, ela será somente um pouco mais tolerante, entretanto, irá pedir para limpá-las assim que acabar a noite de fetiche com um desleixado. Não esqueça também de aparar aqueles pelinhos horríveis que por ventura saiam do nariz ou da orelha - em nome da higiene, please!!!!

8) Base incolor na unha. Triste amigo. Só limpar e cortar já é suficiente. Cuidado se tem esse hábito, pois daqui a pouco estará pedindo 'francesinha' no salão.

9) Fazer sobrancelha. Se for tirar um fio maior, ok. Agora, se for limpar e afinar nas extremidades, é melhor tomar cuidado. Daí para usar rímel e delineador é um pulo. Não estranhe se vier uma vontade incontrolável de chamar um amigo de infância para assistir 'Brokeback Mountain' comendo pipoca light.

10) Cueca furada ou muito vistosa (vermelha, pink, salmão, cetim verde bandeira). Amigo, por favor, treine tirar a calça puxando a cueca junto. Nenhuma mulher no mundo agüenta esse choque visual. Se ela vir a sua cueca é provável que você fique na mão (literalmente) Esqueça também a sunga branca na praia. Nem precisa explicar.


terça-feira, 3 de julho de 2012

O que não usar - por Arnaldo Jabor

Algumas coisas que as mulheres devem saber que são tristes de usar.

Com isso, e pela importância que dou ao sexo feminino, decidi fazer uma  pequena listinha de coisas que simplesmente algumas mulheres deveriam  repensar antes de usar (caso uma mera opinião masculina importe).

É triste mulher:

1) Usar esmalte com uma florzinha (ou estrelinha) em uma das unhas  combinado com a outra mão (no pé já é caso de internação).

2) Salto de acrílico (a não ser que vá fazer um filme pornô ou agradar o  namorado fetichista). Sapato branco também é de lascar.(a menos que você  seja enfermeira...) Bota Frankstein, aquela do plataformão preto. Nem Mortícia Adams teve coragem de usar... E, sandália com plataforma de  madeira entalhada. Essa dispensa qualquer comentário

3) Lente de contato colorida. Essa é uma das tenebrosas campeãs. Além de dar uma enorme vontade de lacrimejar de aflição (para quem está de frente com o ser), parece que estamos diante de uma personagem do próximo filme do X-Men. Aproveitando a fase mutante retire o óculos de sol da cabeça!Ele deve ser usado nos olhos e guardado após o uso! Dr. Xavier adora mutantes que usam a cabeça como aparador! Cuidado!

4) Meia-calça cor da pele, tipo Kendall para o inverno (a não ser que tenha mais de setenta anos ou use debaixo da calça em caso de frio extremo). Em hipótese nenhuma deve ser usada com saia e sandália aberta.

5) Calça justa demais, que aperte as partes íntimas (fica parecendo uma pata de camelo). Calça de cintura baixa com aquelas gordurinhas sobrando para os lados e...cofrinho aparecendo...Não obrigue os outros a ter que ver isso!

6) Descolorir os (muitos) pelos da barriga, o famoso 'caminho da felicidade'. Melhor depilar, caso contrário é melhor procurar um namorado que tenha colocado blondor no bigodinho. Farão um lindo par.

7) Unha do pé grande, maior do que onde termina o dedo, além de ficar muito feio pode ser um perigo fazendo 'carinho' com o pé, no marido ou namorado. Se estiver solteira, vá à praia de meia.

8) Calça jeans com muitas aplicações (rosas coloridas, tachas, strass, etc.). Tudo em exagero polui o visual e esse tipo de calça tem muita informação. Usada junto com o item 2 é uma das piores composições. Se pretende sacanear algum namorado (ou ex), chame-o para jantar ou dançar, e vá assim.

9) Perfume Paris, do Yves Saint Laurent ou um tal de Angels.... não tem desculpa. As pessoas ao redor não merecem isso e nem todo mundo carrega Neosaldina na bolsa. Usar no verão então, é sadismo.

10) Calça legging com tamanco de madeira. Se você não estiver numa refilmagem de 'Grease nos tempos da brilhantina', use outra maneira de chamar a atenção. Há outras (e muito melhores) maneiras de um cara te achar gostosa.